terça-feira, 31 de julho de 2012

Karona com Ká

Por questões de trabalho, ano passado tive que ir conversar com a diretora e a professora de uma pequena escola municipal. A escola fica na zona rural, numa rua sem saída e tem, aproximadamente, 30 alunos em cada turno. Ao chegar na escolinha, senti o aconchego do lugar tão pequeno, colorido... como se o coração do bairro pulsasse ali. Cumpri minha missão e decidi ir embora quando o sinal da saída já havia batido. No portão, algumas crianças, de uns 6 ou 7 anos, esperavam o ônibus escolar. Obviamente estranharam ver uma pessoa tão diferente (eu) andando em direção a elas. Ainda assim, meio receosas e, ao mesmo tempo, cordiais, abriram caminho para que eu pudesse passar.

Caminhei em direção ao carro que estava do outro lado da estreita rua e, mesmo de costas, fiquei ouvindo as crianças cochicharem:
- Pra onde será que ela vai?
- Será que vai pro carro?
- Não vai, não.
- Será que ela sabe dirigir?

Como devem saber, não me incomodo com os comentários das crianças que, em geral, são muito verdadeiras e curiosas. Ainda que fosse uma conversa discriminatória naquele momento, eu daria um jeito de conversarmos a respeito. Acho fantástico ter oportunidades assim para desmistificar a deficiência.

Então, continuei andando, rindo baixinho também. Quando alcancei a maçaneta da porta do motorista, virei para trás e disse:
- Alguém quer carona?? 
As crianças deram um pulo de susto, arregalaram os olhos e todos nós caimos na gargalhada. No caso seria karona com Ká. Comigo. Sob olhares perplexos, entrei no carro, dei partida, buzinei e elas acenaram com um tchau. Fui embora mais feliz. Acho que elas também.

------------------------------------------- x -------------------------------------------

Definitivamente adoro crianças. Vejo nelas a possibilidade de adultos do bem.

Beijos. 

Para os cegos, a descrição: na foto da postagem há seis crianças sorrindo e deitadas no chão formando um círculo.

26 comentários:

  1. Querida!!!
    Amei a sua capacidade de dizer tudo, tudo, tudo, de forma tão simples e carinhosa. Vou ler seu texto no primeiro dia de aulas do semestre que se inicia.
    Quero conversar com meus jovens alunos e você é um belo exemplo!
    Exemplo de gente maiúscula!!
    Minha pequenininha querida!!!!
    Amo !
    Beijo
    Mimi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mimi, queridaaaaa!!
      Muito obrigada pelo comentário e pelo carinho de sempre!
      Que bom que vc gostou!!

      Amo tbm.
      Beijo grande.

      Excluir
  2. Kaká

    Que bom ler seus textos. Esse me remeteu aos tempos de estágio em uma escola pública no quarto ano da faculdade. Chegando de cadeira de rodas no pátio da escola com muitas criaças e os olhinhos curiosos a me fitar. Quando algumas crianças se aproximaram e me perguntaram se não tinha pernas.
    Assim foi que começamos uma relação de seis meses. Maravilhosos seis meses.
    Um beijo enorme pra ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rô, bom te rever por aqui. Imagino e conheço bem essas experiências de estágio. Um barato, não?
      Já já sua netinha vai começar a fazer perguntas engraçadas... rs

      Beijo.

      Excluir
  3. Adoro essa curiosidade e sinceridade das crianças, sem maldade no coração.....para podermos cultivar tudo de bom que há no mundo, neles!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lelê, saudade! Que bom que vc passou aqui.
      O que será que teu Luiz Henrique vai perguntar pra mim daqui um tempo, hum? hahahaah

      Beijos.

      Excluir
  4. LINDO AMIGA, VOCÊ SEMPRE ME EMOCIONA MUITO!
    ABRAÇOS...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigaaaaa, a gente se emociona ; )

      Obrigada!!

      Beijo na família Mazon.

      Excluir
  5. Amiga, só você pra ter essa reação leve, lúdica, sábia, terapêutica e repleta de humor!
    Amo o universo infantil e acho que aprendemos demais quando nos permitimos a mergulhar nele, assim como você fez nessa sua linda experiência!
    Saudades!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, querida!!
      Obrigada!! Fico feliz que vc tenha gostado.
      A criançada é um barato, né?
      Beijo e saudade.

      Excluir
  6. Certa vez me disseram que vimos o que queremos ver.
    Inicialmente relutei, chiei e até esperneei...
    Depois de perceber que existe de tudo em todos os lugares, passei a aceitar mais essa ideia.

    Hoje vejo com clareza que, o colorido que nos cerca, esse sim aponta para o que vamos olhar (perceber).
    Tens um belo olhar, força para balancear, disposição para viver.

    Vai na fé! Nunca pare. KEEP WALKING.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eugen, tu sabes bem que tbm tens esse olhar e essa disposição... caso contrário, não serias o meu amor.

      KEEP WALKING WITH ME.

      Bejo, beijo.

      Excluir
    2. TE AMO MINHA KAKÁ!!!!!!!

      Excluir
  7. Ká, acho que "alguém quer carona" foi a frase perfeita para lidar com a curiosidade das crianças de um jeito divertido, sem tom professoral. Espero ter este tipo de espiritualidade quando situações similares acontecerem comigo. Grande bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio, foi tão espontâneo! Mas concordo que foi o melhor modo de lidar (não só pra eles, mas pra mim também). Décadas de prática... ahhahahaha...
      Acredito que vc já tá encontrando esse tipo de espiritualidade. ; )
      Beijo, beijo.

      Excluir
  8. Achei bárbaro a maneira que vc agiu com as crianças..Elas sempre curiosas,que a gente tem que tirar de letra...bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aldrey, queridona! Obrigada pelo recadinho!
      Vc t é fera em tirar isso de letra... rs.

      Beijoca.

      Excluir
  9. kkkkkkkkkkkkk !!!! Adorei amiga !!!
    Creio que é uma forma de educar sem se estressar ...
    bEIJOSSSS

    ResponderExcluir
  10. olá Karla!!!

    A quanto tempo não venho e nem leio tuas postagens, na verdade a bastante tempo também que sequer posto no meu blog.

    Não poderia entrar e sair dele, sem antes passar aqui e ler os teus artigos, que tanto gosto de ver e aprender contigo também sobre vários assuntos, do teu cotidiano, e do de várias outras pessoas também.

    Saudades, essa é a palavra que consigo encontrar pra expressar e definir a minha visita a este espaço tão especial.

    Sobre as crianças, lendo/vendo da tua ótica, da maneira que tu escreveu (tão bem, diga-se de passagem), concordo imenso que a maneira que elas a observou indo em direção ao carro despertou grande surpresa, e interesse também. Sempre associei a vida, o comportamento humano a algo que seja capaz de nos mover, tendo em vista e como "apoio", aquilo que vimos, ouvimos, e fizemos, a dita experiência, e o teu contato com elas, julgo eu, foi de muita importância pra que possam refletir um dia, ao lembrarem dessa passagem, dessa experiência numa ocasião vindoura, e pra que percebam também que tais limitações ou as "diferenças" não impedem ninguém de fazer todas as tarefas ao alcance, de fazer aquilo que é necessário, enfim, as tarefas comuns do dia-a-dia.

    Um grande abraço, e imensas saudades de ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brunoooo, seu sumido! Que bom que vc reapareceu por aqui! Muitas saudades de ti!!

      Sobre as crianças, concordo com vc. Penso que não só elas, mas tbm os adultos refletem no encontro dessas situações. Ninguém teme e pré-conceitu aquilo que conhece de perto. Portanto, quanto mais cedo a reflexão, melhor.

      Beijo. Volte mais.

      Excluir
  11. Oi.
    Eu tive gêmeas. Uma delas nasceu com AMC.
    Quando ela nasceu eu passei a ouvir de tudo.
    Uns falavam q ela nasceu assim por falta de espaco na barriga,outros porq eu fiquei muitas horas em trabalho d parto,outros diziam q foi porq meu parto foi normal e nao cesarea.Cada um falava uma coisa.Resolvi procurar saber mais sobre esse assunto.Li varios artigos q me exclareceram melhor do q se tratava essa sindrome.
    Em uma das minhas procuras, achei seu blog, e a minha vida mudo.
    Antes eu olhava pra minha pequena e só fazia chorar pois tinha pena dela.
    Apois conhecer e acompanhar seu blog percebi q eu estava agindo errado com minha pequena.Percebi q nao era da minha pena q ela precisava e sim do meu amor,carinho e amizade.
    Hoje olho pra minha pequena e vejo o quanto ela é especial.
    Hoje ela com 7 meses,me deixa,cada dia q passa,mais apaixonada com os sorrisos,as gargalhadas,os olhares apaixonados dela pra mim e pra toda a familia.
    Após conhecer um pouquinho da sua vida, mudei a minha vida.
    Agora tenho total certeza de q estou no caminho certo.
    Obrigada por me ajudar nessa luta.

    ResponderExcluir

Deixe suas Koisas aqui também... obrigada pela visita!