domingo, 22 de agosto de 2010

Avaí 3 x 2 Corinthians

Boa tarde, caro leitor internauta! Saudades demais de vir escrever. Pura falta de tempo e de foto para postar sobre o tema que prometi. Pois é, as fotos do Restaurante Tahiti ficaram na máquina da Renata e ainda não as recebi por email, por isso estou quebrando a sequência dos post da viagem novamente. Dessa vez a ocasião é outra, mas o assunto é o mesmo: acessibilidade. Pois é, sou meio 'pentelha' com isso, mas prometo que logo inovarei as postagens... risos. Domingo passado inventamos de ir ao jogo Avaí x Corinthians em Floripa. Sim, já contei para você que gosto de futebol e que até entendo o que é escanteio, lateral e o tal impedimento - que quase nenhuma mulher consegue entender. Pois bem, o Avaí é o time da Ilha de Florianópolis, nosso time catarinense do coração. Além do mais, eu, como adooooro o Fenômeno (apesar de ele jogar no Timão), quis muito ir porque acreditei na falsa promessa de que ele entraria em campo por aqui... esqueci que ele está mais gordinho que meu pai. Mas tudo bem.

No meio do caminho começou a saga de chegar ao estádio da Ressacada: acesso complicado (sul da ilha), carro que não acabava mais e a escolta trazendo a maloqueirada corinthiana em trocentos mil ônibus. O pior estava por vir: a fila para a compra de ingressos e para entrar. Óbvio que nem me atrevi em pensar em fila de prioridades ali, percebi logo que não havia estrutura para isso e nem tempo para questionar qualquer koisa. Aí veio a hora de entrar, caro leitor internauta. Não me pergunte como entrei, creio que fui abduzida. Era muita gente. E catraca acessível? Esqueça! Nem consegui fotografar para mostrar aqui, não tinha como, não tinha espaço. Fiquei pensando: 'E se eu fosse cadeirante?'. Bom, se eu fosse cadeirante, teria ficado do lado de fora do estádio escutando o jogo pelo radinho de pilha. Me grudei no meu pai e fui. Parecia folião atrás do trio elétrico. Lá pelas tantas os caras começaram a gritar: 'Deixa a moça passar aí, p*rra!', aí tudo foi mais fácil. E por falar em palavrão, no Estatuto do Torcedor agora é proibido xingar o juíz ou koisa parecida, mas se alguém fosse realmente fiscalizar, provavelmente a torcida inteira iria parar no xadrez com o Bruno... só sobraria eu, meu pai e o Guga Kuerten naquele estádio. Mas valeu a pena: ganhamos o jogo. Agora estou curiosíssima para saber como a acessibilidade será considerada nos estádios da Copa em 2014. Ah sim, eu estarei lá, ou em São Paulo ou em Porto Alegre... nem que eu tenha que fazer promessa para Nossa Senhora dos Malacabados ou que pegar o cavalo branco do São Jorge emprestado.
E eu não vi o Fonômeno, mas vi o rei... Roberto Carlos... risos. São tantas emoções!

Próximo post: Restaurante Tahiti - Dica de Acessibilidade.
Isto é, SE eu receber as fotos. 

4 comentários:

  1. Po Karlinha! Que tu é inteligente pra caramba não duvido, mais me dizer q entende o que é o impedimento não consigo acreditar. Outra coisa q não imagino é tu xingando o juiz. hehehehe
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Marco, juro que entendo ó: impedimento é quando o atacante recebe a bola na linha do gol à frente do zagueiro do time adversário. Viu? ... rss...
    Xingar o juíz não, né? Sou bem educada... rs
    Bjo, Dr.

    ResponderExcluir
  3. Sou corinthiana. Odiei o jogo. Perder para o Avaí, não vale. hehe. Mas, foi vingança dos Palmerenses, ri tanto quando eles perderam para vocês também.

    Para falar a verdade, tengo medo desta copa do mundo aqui no Brasil...


    beijos

    ResponderExcluir
  4. haha que aventura hein Kaka

    ADOREI!

    mas não fala mal da torcida corinthiana não hein, porque eu faço parte do clube! :D

    *Te encontrarei em alguns dos estádios, na Copa!!

    ResponderExcluir

Deixe suas Koisas aqui também... obrigada pela visita!