sexta-feira, 30 de abril de 2010

Você já pensou em fazer um trabalho voluntário?

Olá, caro leitor internauta! Feliz sexta-feira! Fim de semana, horas de descanso e lazer chegando... que maravilha!

Você deve ter notado que não tenho conseguido atualizar meu blog diariamente, como havia idealizado pelo começo, mas calma... não estou chateada por isso. Os posts estão em dias alternados dada a minha falta de tempo e também porque não é todo dia que acontece um evento tão relevante e construtivo a ponto de render um bom texto (geralmente ocorrem fatos de trabalho os quais, por questões éticas, não poderia incluir no blog). Não quero também transformar isso aqui num diário vazio e fútil, com qualquer asneira; pelo contrário, desejo, humildemente, fazê-lo refletir sobre quaisquer koisas comigo, como sugere o nome dessa 'engenhoca'.

Pois bem, hoje o tema do meu post é o trabalho voluntário. Você já parou para pensar em fazer algo pelo simples prazer de ser solidário? Se já pensou, parabéns! Se não pensou, nunca é tarde! O que você está esperando para tornar-se um voluntário? Mãos à obra para ambos os casos! Eu mesma sempre gostei desses assuntos de serviços sociais e comunitários. Se você já faz algum tipo de trabalho nesse sentido, deve saber a grande satisfação que causa fazer o bem sem receber qualquer centavo por isso. Acho sensacional podermos ensinar algo ou instrumentalizar os outros para que eles cresçam como cidadãos, como pessoas. É um ganho no qual a única moeda é a troca. A troca de conhecimento, de experiência, de afeto, etc.

Sempre estudei em colégio público e tenho bastante orgulho disso. No começo desse ano, fui convidada para participar de um projeto na escola estadual onde estudei a vida inteira. Me senti lisonjeada pelo convite e aceitei. Desse modo, a escola me cadastrou no Amigos da Escola, projeto da Rede Globo (http://www.amigosdaescola.com.br/). Eu sei, eu sei... muita gente acha que só deve olhar para os lados quando já estiver com os bolsos cheios de grana, mas eu, felizmente, não penso assim. Penso que não há hora para olhar pelo outro. Se eu for esperar ficar rica e prestar um 'favorzinho' a quem precisa, talvez esse dia nunca chegue, talvez eu nunca faça nada. Minha agenda está lotada, tem dias que mal tenho tempo para comer alguma coisa, mas convenhamos: é vital você parar e fazer algo por você e pelos outros. Por exemplo: toda quinta-feira (de tarde) me reservo o direito de fazer aula de artesanato e terapia. Sim, caro leitor internauta, também sou gente e preciso de um momento só meu. Como psicóloga, o meu instrumento de trabalho é o conteúdo do outro e, quase sempre, esse conteúdo vem bem carregado. Então eu tenho que cuidar de mim e ter umas horinhas para pensar no nada. Concorda? E não sou só eu que preciso, todo mundo deveria ter uma 'válvula de escape' durante a semana. Jogar o estresse 'pela janela' praticando uma atividade física, dando umas voltas por aí, enfim... você deve ter captado a minha mensagem.

Mas não percamos o foco desse 'trelelê' todo. Nas sextas-feiras, pela manhã, eu vou ao colégio e faço um trabalho voluntário com 10 alunos (só meninos) de 5a. a 7a. série, divididos em dois grupos de 5. Foram meninos selecionados pela direção da escola; são repetentes, com histórico de indisciplina, etc. Daí percebi que seria um baita desafio trabalhar com esses adolescentes e, como eu adoro desafios, pensei em fazer algo bem fora do habitual. No começo houve resistência, há muitos mitos sobre a minha profissão e sei que isso é uma questão de tempo. Mas persisti porque cheguei à conclusão que esses meninos já estão cansados de ouvir sermão, lição de moral e coisas do tipo. Também estão cansados de serem menosprezados pela questão da repetência (a auto-estima de todos localiza-se na unha do pé). Também têm pouca (ou nenhuma) opção de lazer ou de espaço para simplesmente falarem. Foi nesse pensamento aí que tive um insight (um 'tlim' na mente). Os 40 minutos que tenho com cada grupo é uma oportunidade que dou para eles serem ouvidos, de fato. Claro que planejo e levo temas-chaves. Sou livre para criar as atividades que quiser e promover discussões sobre saúde, família, escola, drogas, namoro e DST's, orientação sobre alimentação, higiene etc.; mas com o desenrolar da coisa toda, a gente acabando conversando sobre os anseios e problemas que os afetam diretamente e esse é justamente o meu objetivo. Sim, caro leitor internauta, conversamos mesmo, de verdade, papo sério (como eles dizem), sem ironia, sem julgamentos, desde que cada um respeite a vez do outro falar. Me coloco numa posição de ouvinte e vou direcionando os assuntos, trabalhando aquilo que vai surgindo. É muito legal, embora todos ainda me chamem de 'professora'... risos. Sei que me chamarem assim é força do hábito, então eu relevo... risos. Me causa grande satisfação quando chego lá e eles perguntam porque não tivemos encontro na outra semana (nos dias que eu tinha aula de direção), por exemplo; ou quando vejo o grande respeito por eu ser a única mulher no meio deles, etc. Tenho me surpreendido ao conhecê-los e perceber que tudo o que querem é uma chance para melhorar.

É gratificante, recompensador e eu poderia, sem dúvida, passar horas aqui citando as vantagens de ser voluntário. Essas experiências também dão sentido à escolha profissional que fiz e aos anos que estudei pra caramba, dão sentido, inclusive, a quem sou. Por isso minha dica é: pare de reclamar, de criticar, de culpar só os políticos pelas desigualdades (não se esqueça que elegê-los é sua/nossa responsabilidade) e mexa-se!

Ser voluntário é muito mais do que ensinar: é aprender!

Ps.: Adeus mês de abril.

3 comentários:

  1. Parabéns pelo seu blogger, gostei muito, ser você quiser me visita no meu blogger tem

    bastante coisa legal, tem game para meninas, do game isa tkm jogos, moranguinha jogos,

    relógio e calendário com sua foto, album foto, poema, poesia, musica, radio, msn nick, mario

    bros, mapa do google, cria texto avatar, curso de inglês, japonês, italiano, hebraico,

    chinês, bbb10, torpedo grátis, etc...


    http://bloglegalnovo.blogspot.com

    Espero que você seja meu seguidor

    ResponderExcluir
  2. Apesar de n ser algo tão gratificante como o seu, eu tbm faço... e ainda assim, é concerteza um grande aprendizado.

    besos, chica morena.

    ResponderExcluir
  3. Muito edificante este seu post Kaka. Eu fiquei me imaginando no seu lugar. Se eu tivesse tido a oportunidade q vc teve. Começaram a rolar na minha cabeça história, planos, temas, objetivos...

    Eu já trabalhei mais ou menos assim (mas era remunerada pra isso), mas também se não fosse, estaria feliz. Trabalhei com crianças, bebês ainda, e me tornei uma pessoa melhor, só de fazer parte do dia-a-dia de cada um deles, presenciar cada cena, cada surpresa, falas, tombos, choros, sorrisos, gargalhadas...

    De fato, fazer o bem, e SER o bem para 1 serzinho que seja, já é muito gratificante!

    ResponderExcluir

Deixe suas Koisas aqui também... obrigada pela visita!